RO: Ciclomobilidade Ameaçada

Em 24/06/17 integrantes do Pedal Sonoro pedalaram de Icaraí até a Praça do Engenho do Mato através do túnel Charitas/Cafubá e fizeram um breve diagnóstico das condições enfrentadas pelos ciclistas neste trajeto de apenas 16km.

A visita técnica ocorreu num sábado, dia de menor movimento, partindo 16h de Icaraí e retornando por volta de 19h do Engenho do Mato:

Os problemas começam em Charitas, na ciclofaixa sem segregação e sinalização adequada que, aliada à falta de fiscalização e desrespeito dos motoristas, oferece grande risco à segurança dos ciclistas. Altas velocidades, bloqueios e invasões da ciclofaixa são frequentes neste trecho: tenha muito cuidado!

NOTA: “Para o ciclistas, será criada uma faixa segregada bidirecional, que se conectará com ciclovia do túnel Charitas-Cafubá. As mudanças buscam aumentar a capacidade da via para suportar o aumento do volume de automóveis com a abertura das galerias, anunciada pela prefeitura para o dia 06/05/17.” O GLOBO, 16/04/17

 

A pedalada no túnel foi tranquila e registramos a instalação de sinalização específica indicando a curva acentuada que existe nas ciclovias, devido aos recuos, em ambas as galerias.

Região Oceânica: situação dramática!

No Cafubá, a estrutura cicloviária (sobre a calçada) termina cerca de 600m após a saída do túnel, sem nenhum aviso, e o ciclista é obrigado a trafegar pela via. Neste trecho, a nova pavimentação, o limite de velocidade de 60km/h (embora trate-se de uma área residencial) e a falta de fiscalização, incentivam as altas velocidades. O desrespeito dos motoristas devido à ausência de campanhas de educação de e para o transito conforme determina a LEI, tornam as chamadas finas extremamente comuns.

 

Ainda no Cafubá, notamos que a maioria absoluta dos ciclistas trafega pela contramão, o que além de contrariar a LEI é extremamente perigoso. Esta situação deveria ser objeto de atenção do programa Niterói de Bicicleta que através de simples ações e campanhas de conscientização poderiam combater esta conduta.

 

Se você sobreviveu até aqui, agora enfrentará a Estrada Francisco da Cruz Nunes. A principal via da região, não possui nenhuma estrutura cicloviária (e, pelo visto, nem terá), a pavimentação das pistas auxiliares é péssima devido à má conservação e, como se não bastasse, as obras da TransOceânica tornaram o transito da região um verdadeiro caos. A história se repete: altas velocidades, desrespeito por parte dos motoristas, com direito a finas, inclusive de coletivos.

NOTA: “Sem cerimônia ou discussão com os maiores interessados, os moradores e ciclistas, a prefeitura bateu o martelo e deixou de lado — ou jogou para o lado — a tão anunciada ciclovia que integraria o corredor viário da Transoceânica. Em vez de construir uma via dedicada às bikes ao longo de toda a Estrada Francisco da Cruz Nunes, como projetado, o novo traçado desvia os ciclistas para ruas paralelas em dois trechos, onde deverão compartilhar a via com os automóveis.” O GLOBO, 07/03/17

Na Avenida Central em Itaipú, embora exista uma ciclofaixa, esta não oferece nenhuma segurança aos ciclistas. O traçado está praticamente apagado, a sinalização e a conservação são péssimas (buracos, areia/lama e alagamentos) e aqui temos um agravante: os veículos que acessam o estacionamento dos comércios e as ruas transversais representam um grande perigo para quem trafega pela faixa exclusiva. A velocidade máxima de 60km/h, mesmo se tratando de uma via repleta de comércio, escolas, igrejas e residências, é um convite às altas velocidades ocasionando acidentes, muitas vezes com vítima.

Devido ao trajeto que fizemos, pedalamos pouco pela Estrada do Engenho do Mato. A via possui ciclofaixa, mas também não garante a segurança dos ciclistas por apresentar os mesmos problemas relatados anteriormente.

NOTA: “Com o aumento da velocidade média nas vias urbanas, há também um aumento na probabilidade de acidentes e na gravidade de suas consequências, em especial para os pedestres, ciclistas e motociclistas, disse a organização. Segundo a OMS, um pedestre tem menos de 20% de probabilidade de morrer se atropelado por um automóvel que circula a menos 50km/h, mas quase 60% de possibilidade de morrer se atropelado a 80km/h.”

 

Lamentamos profundamente que a Região Oceânica, local de grande beleza natural e que, desde sempre, utiliza a bicicleta como meio de transporte, esteja enfrentando esta situação dramática de absoluta falta de segurança para quem optou pela ciclomobilidade.

NOTA: Durante todo o percurso não presenciamos um único agente/operador de trânsito na Região Oceânica.

O Pedal Sonoro seguirá cobrando providências do poder público municipal e do poder legislativo e não nos furtaremos em representarmos junto ao Ministério Público Estadual para que a LEI seja cumprida e a segurança dos pedestres e ciclistas seja garantida na RO ou nas demais regiões da cidade.

Faça a sua parte: COMPARTILHE este diagnóstico com a sua rede de contatos e cobre o seu/sua vereador(a). A construção de uma Niterói ciclável também depende de suas atitudes!  

 

Segurança viária: o que determina a LEI?

Trecho da apresentação utilizada na Audiência Pública: Mobilidade Urbana e Segurança Viária, realizada em 09/12/2016 na Câmara Municipal de Niterói, convocada pelos movimentos/coletivos Mobilidade Niterói, Niterói Para Pessoas e Pedal Sonoro e atendida pelos vereadores Paulo Eduardo Gomes (PSOL) e Daniel Marques (PV).

NOTA: Nesta importante atividade, com exceção de uma porta-voz da NitTrans, nenhuma das autoridades municipais convidadas compareceu à audiência.

15319296_1705553273076142_603339166780008130_n.jpg

CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO (CTB) Lei Federal 9.503 de 23/09/1997

Considera-se TRÂNSITO a utilização das vias por PESSOAS, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, estacionamento e operação de carga ou descarga.

O trânsito, em CONDIÇÕES SEGURAS, é um DIREITO DE TODOS e DEVER dos órgãos e entidades componentes do Sistema Nacional de Trânsito (SNT), a estes cabendo, no âmbito das respectivas competências, adotar as medidas destinadas a assegurar esse direito.

Os órgãos e entidades de trânsito pertencentes ao SNT darão prioridade em suas ações à DEFESA DA VIDA, nela incluída a preservação da saúde e do meio ambiente.

Os órgãos e entidades componentes do SNT RESPONDEM, no âmbito das respectivas competências, objetivamente, por danos causados aos cidadãos em virtude de AÇÃO, OMISSÃO ou ERRO na execução e manutenção de programas, projetos e serviços que garantam o exercício do DIREITO do trânsito seguro.

piramide.png

PLANO NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA/PNMU Lei Federal 12.587 de 01/03/2012

Princípios do PNMU:

ACESSO dos cidadãos ao transporte público coletivo;

GESTÃO DEMOCRÁTICA e CONTROLE SOCIAL do planejamento e avaliação da PNMU;

SEGURANÇA nos deslocamentos das PESSOAS;

Justa distribuição dos BENEFÍCIOS E ÔNUS decorrentes do uso dos diferentes modos e serviços;

EQUIDADE no uso do ESPAÇO PÚBLICO de circulação, vias e logradouros.

equidade.png

Diretrizes do PNMU:

PRIORIDADE dos modos de transportes não motorizados sobre os motorizados e dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado;

INTEGRAÇÃO entre os modos e serviços de transporte urbano.

Objetivos do PNMU:

Consolidar a GESTÃO DEMOCRÁTICA como instrumento e garantia da construção contínua do aprimoramento da mobilidade urbana.

 

 

Candidatos a vereadores assumem compromisso pela Mobilidade Ativa

A campanha Bicicleta nas Eleições / Niterói 2016 realizou, no último sábado (27/08), um encontro com candidatos a vereadores em Niterói.

img_02

A atividade aconteceu no Museu do Ingá e reuniu cerca de 90 pessoas, dentre elas, 26 candidatos e candidatas.

img_01

Após uma apresentação que abordou questões ligadas à Mobilidade Ativa, elaborada pelo Pedal Sonoro, Mobilidade Niterói, Massa Crítica e Bike Anjo Niterói,  os CANDIDATOS e o PÚBLICO presentes puderam trocar experiências e debater o tema.

Ao final do encontro, todos os 26 candidatos e candidatas assumiram o Compromisso Legislativo pela Mobilidade Ativa:

Eu (…) candidato(a) a vereador no município de Niterói, pelo partido (…), caso eleito(a), me comprometo a propor e a apoiar PROJETOS DE LEI, assim como quaisquer INICIATIVAS LEGISLATIVAS, ainda que propostas por outros vereadores,
 que tenham como objetivo a promoção da MOBILIDADE ATIVA
 e a melhoria da SEGURANÇA VIÁRIA em nossa cidade.”

img_03

Agora, saiba quem assumiu este compromisso:

Ana Lúcia (PT), Ary Girota  (PSOL), Bruno Lobato (PSB), Carla Adriana Maggioni (REDE), Cibele Mariano  (PT), Daniel Marques (PV), Débora Oliveira (PSB), Ester Neves Ladislau (PT), Gregório Jório (REDE), Henrique Vieira (PSOL), Jonathan Anjos (PSB), José Albuquerque (PT), Leonardo Giordano (PCdoB), Marcão do Coco (PSOL), Marcelo Moreira (PSB), Marllon Jacob (PTC), Paulo Eduardo Gomes (PSOL), Professor Luciano Paez (PV), Professor Túlio (PSOL), Railane Borges (PPS), Renatinho (PSOL), Salete Peres (PV), Sandro Araújo (PPS), Talíria Petrone (PSOL), Vania Martini (PPS) e Vinícius Moço (PSB).

imagens: Mobilidade Niterói

Em tempo: você é candidato ou candidata a vereador, não pôde participar do encontro, mas deseja assumir o Compromisso Legislativo pela Mobilidade Ativa? Entre em contato!

 

Encontro com Vereadores

 

arte

A campanha Bicicleta nas Eleições / Niterói 2016 realizará nesta próxima semana uma importante atividade de sua agenda: um encontro com candidatos e candidatas a vereadores em nossa cidade.

Nesta atividade, composta de uma apresentação seguida por debate, discutiremos propostas para a promoção da MOBILIDADE ATIVA em Niterói e os candidatos que desejarem também poderão manifestar o seu apoio público à campanha.

Na programação, estão previstas 4 breves apresentações sobre os temas: campanha Bicicleta nas Eleições, aspectos da legislação (CTB e PNMU), pesquisas e dados sobre a mobilidade em Niterói e a relação da bicicleta com o comércio.

Logo após esta exposição, haverá oportunidade para perguntas, considerações e, assim, seguiremos com o debate.

Ao final do encontro, candidatos e candidatas que desejarem assumir o COMPROMISSO LEGISLATIVO COM A MOBILIDADE ATIVA poderão fazê-lo, assinando um simples documento.

Sejam todxs bem vindxs!

DATA: 27/08 (sábado) | HORÁRIO: 15H30

LOCAL: MUSEU DO INGÁ [Rua Presidente Pedreira, 87]

Para acessar o evento no facebook, clique aqui

PS: no Museu do Ingá não há estacionamento e há poucas vagas no seu entorno. Faça bonito, venha a pé, de bicicleta, skate, patinete, táxi/uber ou utilize o transporte público!

Os vereadores e a ciclomobilidade

arte_vereadores

A cada quatro anos, brasileiros em todo o país se mobilizam para eleger os vereadores e vereadoras das suas cidades. Em 2012, mais de 56 mil vereadores foram eleitos em todo o país para ocupar as Câmaras de cada uma das cidades do Brasil.

Em Niterói (RJ), neste ano de 2016, serão eleitos ou reeleitos 21 vereadores e vereadoras.

Os vereadores fazem parte do poder Legislativo e, como tal, elaboram, discutem e votam as leis municipais – ou seja, que envolvem imposto, saúde e educação, saneamento, MOBILIDADE URBANA, entre outros temas da cidade.

Além das votações, os vereadores também têm o poder e o dever de fiscalizar a administração, cuidando da aplicação dos recursos e observando o orçamento. Ou seja, é dever deles acompanhar o poder Executivo, principalmente em relação ao cumprimento das leis e da boa aplicação e gestão do dinheiro público.

MAS O QUE UM VEREADOR(A) PODE FAZER PELA CICLOMOBILIDADE EM SUA CIDADE?

Sendo assim, os vereadores que assumirem um compromisso com a CICLOMOBILIDADE através da campanha Bicicleta nas Eleições, poderão colaborar de diversas maneiras para fomentar a utilização da bicicleta como meio de transporte, tais como:

APRESENTAR E/OU APOIAR PROJETOS DE LEI;

REGULAMENTAR E GARANTIR O CUMPRIMENTO DAS LEIS;

CONVOCAR E PARTICIPAR DE AUDIÊNCIAS PÚBLICAS;

FISCALIZAR AS AÇÕES DA PREFEITURA;

COBRAR O CUMPRIMENTO DE PRAZOS E ORÇAMENTOS;

ZELAR PELA TRANSPARÊNCIA DO PROCESSO POLÍTICO;

SER HONESTO(A) E HONRAR O VOTO DE SEUS ELEITORES.

Portanto, muita atenção ao escolher seu candidato! Além de diversas responsabilidades, ele ou ela vão representá-lo na Câmara Municipal pelos próximos 4 anos.

 

fonte: G1 / clique aqui para acessar a matéria original