Mobilidade Ativa segue negligenciada pela Prefeitura de Niterói

A consulta pública realizada pelo Pedal Sonoro entre os dias 27/07 e 03/08/2018 atestou o que já sabíamos: a prefeitura de Niterói segue negligenciando as propostas contidas na Carta Compromisso pela Mobilidade Ativa, compromisso assumido pelo prefeito Rodrigo Neves durante a campanha eleitoral de 2016. A consulta tem como objetivo colaborar para o monitoramento dos compromissos assumidos por esta gestão.

quem.png

A pesquisa foi respondida por 120 niteroienses de todas as regiões da cidade. Dentre eles, 75% se declararam ciclistas e 25% pedestres.

arte.png

Todas as 10 propostas contidas na carta foram avaliadas como não cumpridas pela maioria dos cidadãos, com as respostas variando entre 56,7% e 86,7%.

Confira, abaixo, o resultado da pesquisa:

A consulta também abriu espaço para que as pessoas comentassem a respeito das políticas públicas implementadas pela gestão Rodrigo Neves voltadas para a promoção da mobilidade ativa em Niterói e as condições que enfrentam diariamente ao caminhar ou pedalar pela cidade.

As condições são precárias e lamentáveis. Pouquíssima infra estrutura, sem manutenção e segurança. Niterói é um cidade altamente ciclável (curtas distancias e relevo favorável). A implementação de infra-estrutura cicloviária, fiscalização efetiva e campanhas de educação são ações de baixo cisto e alto retorno, contribuindo para o minizar o trafego intenso e aumentando a qualidade de vida.

Falta segurança quando caminho a pé e principalmente de bicicleta. Faltam ciclovias e calçadas para os pedestres.

Falta ligação entre a Zona Norte e o Centro. Pedestres param na ciclofaixa da Amaral Peixoto e os carros não respeitam os ciclistas, falta manutenção na pintura das ciclovias.

O número de bicicletas claramente aumentou na cidade. Com medo de usar as ruas (por falta de infraestrutura, fiscalização e também por desconhecimento de seus direitos e deveres), ciclistas pedalam nas calçadas e na contramão, disputando o espaço (que já é pequeno, irregular e mal conservado) com o pedestre. Um sonho: poder atravessar a rua quando o sinal fecha, e não quando motoristas, motociclistas e ciclistas decidem que você pode atravessar.

Pedalo de Itaipu ao Centro de Niterói. Posso dizer que melhorou muito minha mobilidade com a pista do BHLS pronta, porém ela NÃO É A CICLOVIA que esperávamos, e assim que o BHLS funcionar, veremos a realidade de que FOMOS FEITOS DE OTÁRIOS. Aonde eles tentaram fazer ciclofaixas nos cruzamentos, fizeram errado, ou a ciclofaixa não se conecta com a rampa, ou está mais de 10 m dentro das ruas nos obrigando a ziguezaguear. Partes da Transoceânica é impossível usar a calçada devido a ser estreita e com postes no meio.

Em relação as condições, são péssimas e quanto às políticas, ”prefiro não comentar”.

Resumo afirmando que esta cidade não é amiga do ciclista. O fato de a sensação de segurança ser aparentemente melhor é porque somos cada vez mais e de certa forma ocupamos espaço.

Não me sinto segura para usar bicicleta na Região Oceânica e muito menos empurrar a cadeira de rodas com a minha mãe para pequenos trechos.

Agradecemos a todas e todas que responderam à consulta popular promovida pelo coletivo Pedal Sonoro, seguiremos na cobrança da implementação desta propostas que beneficiarão não apenas pedestres e ciclistas, mas toda a sociedade.

planmob.png

Aproveitamos a oportunidade para reforçar a necessidade de pedestres e ciclistas responderem à consulta pública promovida pela Secretaria de Mobilidade e Urbanismo sobre o Plano de Mobilidade Urbana Sustentável de Niterói.

Precisamos incidir e garantir as condições necessárias para promoção da mobilidade ativa na cidade através desta lei municipal. Conheça e participe da campanha Bicicleta Nos Planos!

Se possível, compartilhem este post em suas redes sociais.

Contamos com vocês!